Quem é mais inteligente? O Jogador Lionel Messi ou Bill Gates? Tempos atrás, certamente teríamos facilidade para responder a esta pergunta, bastava aplicar o famoso teste de quociente intelectual para descobrirmos essa questão. Eu e você crescemos ouvindo teorias a esse respeito. Me lembro de um garoto “super inteligente” no colégio onde eu estudava. Falavam que ele tinha um QI maior que 120. Eu não entendia muito isso, mas me achava bem burro pelo fato de olhar aquelas perguntas no malfadado teste, e não conseguir responder a quase nenhuma. O teste de QI era composto por varias perguntas e, em cada uma delas apareciam figuras geométricas dentro de um quadradinho, e baseado nessas imagens, você deveria descobrir qual era a imagem seguinte, levando em consideração a lógica e o padrão. Ainda bem que esta teoria caiu por terra, ao menos, parcialmente.

Os estudos conduzidos pelo Professor americano de Harvard, Howard Gardner, deu um alento àqueles que sempre iam mal nestes testes.

Howard provou que o teste do Quociente Intelectual identificaria apenas uma das oito inteligências que temos.

Isso mesmo! Você pode ser um fiasco no teste de QI, mas este teste apenas mensura a sua Inteligência Lógico Matemática. Existem outras sete inteligências onde provavelmente você se destaque mais. Mas quais seriam as inteligências que todos nós temos? Eu fui atrás de todas elas e neste artigo trarei as primeiras quatro. Além disso, pesquisei dicas para que você se desenvolva em cada uma delas. Vamos lá!

Inteligência Lógico Matemática.

Você odeia matemática? Então provavelmente possui essa inteligência pouco desenvolvida. Economistas, engenheiros, arquitetos tendem a gostar deste tema, já que sua constituição cerebral tende a facilitar o entendimento das mensagens oriundas de códigos, desenhos e fórmulas. Trabalhar o lado esquerdo do cérebro é o caminho para desenvolver essa inteligência, já que o aspecto da “Lógica” está localizado ali. É uma das inteligências mais complexas para desenvolver pois é necessário muito treino e disciplina. O melhor caminho para isso é processar dados “provocando” o cérebro a resolver essas questões. Por exemplo, tente resolver mentalmente a tabuada do 11 (decoramos até o 10, não é mesmo?), depois do 12 e por aí vai. Isso ativa os circuitos neurais do lado esquerdo do cérebro e passa a desenvolver essa inteligência. Além disso, faça listas sobre diversos temas, resolva os jogos japoneses de Sudokus e palavras cruzadas.

Inteligência verbal ou linguística.

Você já percebeu que algumas pessoas têm facilidade para aprender outras línguas, ou mesmo organizam suas falas e frases de forma bem definida, criam discursos empolgantes, ou mandam muito bem em debates na televisão? Pessoas que têm esta inteligência bem desenvolvida falam e escrevem muito bem. Conhecem diversas palavras e as usam, já que possuem um vocabulário rico (o que não significa que sejam sofisticados na maneira de se expressar). Assim como a Inteligência Lógico Matemática a área responsável pela Inteligência Verbal esta localiza no lobo temporal do hemisfério esquerdo. Para poder desenvolvê-la o caminho é mais fácil. Ler muito é uma boa alternativa. Fazer esquemas com as informações capturadas de um livro, escrever histórias, saber uma boa quantidade de sinônimos para palavras complexas e fazer resumos.

Inteligência Musical.

Sabe aquele músico talentoso que “toca de ouvido”? Pois bem, esta característica demonstra uma inteligência musical muito desenvolvida. Paul McCartney sonhou com uma bela melodia e quando acordou compôs a música mais regravada até hoje: Yesterday. Compositores, repentistas, músicos e maestros não são os únicos a terem essa inteligência aguçada. Basta que você escute música de forma atenta para identificar ritmo e timbre das músicas. No fundo, cada composição é uma quantidade grande de padrões sendo repetidos. Por isso, ao escutar uma música, tente isolar todo o som e procure identificar apenas o baixo, ou a guitarra. É um exercício difícil, mas muito divertido. Isso te ajuda a desenvolver o Córtex Auditivo, responsável pela liberação de dopamina quando ouvimos música. Recomendo que você leia o artigo deste link. Nele é possível saber porque uma música gruda em nosso cérebro ou mesmo porque nossos avós não gostavam de rock, em sua maioria.

Inteligência Intrapessoal.

Diz respeito à capacidade de se conhecer. É a mais rara das inteligências pelo fato de possuir altíssimo nível de complexidade. Diz respeito à nossa capacidade de identificar e neutralizar nossos próprios vícios. Provavelmente você já ouviu alguém dizer que, um dia, resolveu parar de fumar e nunca mais fumou. A Inteligência Intrapessoal decide sair dos hábitos que te fazem mal, ou mesmo se afastar de pessoas tóxicas. Além disso, diz respeito ao absoluto autoconhecimento. É nela que definimos nossas crenças, estabelecemos nossos limites e nosso estilo de vida. Se nos conhecemos bem, identificamos nossos gatilhos emocionais, ou seja, o que nos tira do prumo e nos deixa nervosos. Por outro lado, é o que nos faz evitar uma briga, identificar se estamos estressados e decidir ir para longe para recarregar as energias. É ela quem diz se estamos ou não estamos felizes. Neste link você pode saber mais sobre como mensurar a sua inteligência Intrapessoal.

No próximo artigo vou trazer outras 4 dicas para que você desenvolva as outras inteligências. Ah! E antes que você me pergunte, quem é mais inteligente? Lionel Messi ou Bill Gates? Bem, para mim está claro que cada um deles é muito desenvolvido em uma inteligência: Lionel Messi na Corporal Sinestésica (falaremos disso no próximo arquivo) e Bill Gates na Lógico Matemática. Nenhum dos dois ficou triste com essa resposta! 🙂 Até lá!


Alberto Roitman é Chief Creative Officer na Nexialistas Consultores, autor do livro: Você é o que Você Entrega! e A última chance!

Como se tornar mais inteligente?
Olá! No que podemos lhe ajudar?
Powered by